de 02.nov de 2020 a 02.jan de 2021

A compreensão das questões essenciais que atravessam o trabalho da artista têxtil Vanessa Freitag são colocados nessa exposição: Suas obras, de forte impacto material, trazem diferentes formas orgânicas que desenham um jardim particular, cercado por flores, espinhos e ninhos de cobras que ocupam diferentes espaços, perfurando ou brotando como ervas daninhas que precisam mostrar-se em uma imponência dramática. 

Em seus projetos, a artista parte da manualidade popular - ainda desvalorizado como técnica dentro das artes visuais - para criar uma imagem muito forte e potente. É um trabalho simbiótico - termo derivado de simbiose, o ato de juntar intimimamente duas pessoas ou duas espécies - que une o espectador ao pensamento da artista, criando conexões que vão além da contemplação da beleza do trabalho e desembocam em conexões materiais, reflexões e a busca por respostas. Afinal, será que um trabalho artístico precisa ficar preso apenas ao conceito do artista ou o olhar do público também é um complemento à criação?

Ao criar uma série de trabalhos que questionam visualmente o papel social do feminino, como na obra Adaptação (2020), a artista coloca em voga um conceito intrínseco ao seu trabalho - a dualidade. Nesse trabalho, as flores, sempre associadas ao feminino pela delicadeza, tem suas formas distorcidas para mostrar a agressividade e tencionalidade de adaptação da mulher, sufocada por uma forma que tenta cobri-la, como uma raíz, mas que é acompanhada da passibilidade demonstrada no rosto dessa mesma mulher, como se a mesma estivesse integrada as formas, conformada.  

A útopica simbiose buscada pela artista, frente à uma sociedade cada vez mais individualista, anti-ecologista e com foco em diferentes egos tem um papel importante em seu trabalho: é preciso olhar para as nossas raízes, para a nossa natureza, entender a importância do espaço da troca e do diálogo. Desequilibrios em escala são gerados em sociedades que esquecem das suas origens, da organicidade das relações que precisamos ter.

As artes manuais populares (onde podemos considerar a têxtil) que são conhecidas por atravessarem gerações por transmissão oral, tem perdido espaço para a industrialização social, esquecendo que o ser e o meio tem relações intrínsecas. Essas relações são trazidas pela artista ao nomear suas obras com nomes que remetem a natureza, como ninho de cobra, insetos, flores, partindo do conceito de ecossistema para falar sobre a necessidade de integração: nós precisamos uns dos outros.

Em pequeno jardim simbiótico apresentamos um repertório selecionado pela própria, em uma curadoria pensada em conjunto: a necessidade da artista de mostrar o seu jardim em diferentes proporções e a necessidade do curador em falar sobre esse trabalho. Não há hierarquia: tudo foi construído em uma simbiose.

 

Paulo Farias

Curador

Flores de Topiarius I (2019) (60x45x55cm) – escultura têxtil com roupa reciclada e cadarços de sapatos.

Flores de Topiarius I (2019) (60x45x55cm) – escultura têxtil com roupa reciclada e cadarços de sapatos.

Cesto com serpentes (2019) (70x80x28cm) – escultura têxtil feita com roupa feminina e crochê.

Florescências (2020) (32x32x38cm) – escultura têxtil feita com roupa feminina e crochê.

Flor para Deododo (2019) (45x30x22cm) – crochê, cerâmica e alfinetes.

Flores simbióticas (2020) (22x15x16cm) – escultura têxtil, crochê, bordado e alfinete.

Flor de Dora (2020) (150x50x45cm)- Crochê, costura e bordado.

Simbiose I (2019) (40x32x35cm) – objeto têxtil, crochê, e alfinete.

Simbiose II (2019) (22x25x26cm) – objeto têxtil, crochê e bordado.

Simbiose II (2019) (22x25x26cm) – objeto têxtil, crochê e bordado.

Flor onírica I (2020) (65x25x170) – cestaria textil

Flor onírica II (2020) (56x60x25cm) – costura e crochê

Pequeno Jardim (2020) (55x45x60cm) – escultura têxtil, crochê, bordado, alfinete e bolinhas de gude.

Pequeno Jardim (detalhe) (55x45x60cm) – escultura têxtil, crochê, bordado, alfinete e bolinhas de gude.

Ninho Domesticado I (2020) (77x60x55cm) – escultura têxtil com roupa reciclada.

Ninho Domesticado II (2020) (70x80x45cm) – escultura têxtil, crochê, e alfinete.

Ninho Domesticado (2020) (55x60x65cm) – escultura têxtil feita com roupa feminina

Spinas azuis (2020). (55x43x40cm)- escultura têxtil feita com roupa feminina, croché e pregos.

Corpos Simbióticos I (2020) (60x55x58cm) – escultura têxtil

Corpos Simbióticos II (2020) (55x45x56cm) – escultura têxtil

Corpos Simbióticos III (2020) (70x55x60cm)- escultura têxtil

Insetos I (2020) (150x170x25cm)- roupa própria costurada.

Insetos II (2020) (50x66x120cm) – roupa própria costurada.

Insetos III (2020) (140x45x25cm) – roupa costurada.

Adaptação (2020) Ensaio fotográfico.

Adaptação (2020) Ensaio fotográfico.

Adaptação (2020) Ensaio fotográfico.

       Sobre a artista       

Vanessa Freitag

     Brasil/México

Natural de Santa Rosa, Brasil, estou radicada no México desde 2008. Tenho Bacharelado em Desenho e Plástica, Licenciatura em Arte-Educaçao e Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria, Brasil, com Doutorado em Ciências Sociais por CIESAS-Occidente (Guadalajara/México).
Me divido entre a docência e a pesquisa sobre artesanato mexicano e brasileiro, as práticas artesanais tradicionais e a arte têxtil contemporânea na Universidad de Guanajuato/México.
Desenvolvo pesquisas sobre o fazer e pensar a prática artística com a linguagem têxtil, em que exploro diferentes técnicas como o crochê, a costura e o bordado. Meus temas de interesse giram em torno da memória, corpo e identidade, assim como os saberes artesanais. Em meu trabalho, pesquiso a linguagem têxtil e suas possibilidades como a costura, o crochê, o bordado e o tecido, para a criação de objetos sensoriais que ocupam o espaço.
Experimento com materiais reciclados/desapegados para construir formas orgânicas que habitam meu universo imaginado. Com isso, pretendo estimular uma ampla gama de sentidos, tanto táteis quanto visuais, e de alguma forma, aludir à flora e fauna do meu país de origem, bem como, do entorno em que radico atualmente.
As memórias de infância, as práticas e processos artesanais, os espaços urbanos e domésticos – como os jardins -, são alguns dos meus interesses de investigação. Desejo emular um tipo de simbiose entre minhas lembranças do passado e as vivências do presente, entre a botânica do Brasil e a do México. Ao mesmo tempo, visibilizar as tensões que observo entre trabalho manual e emocional, entre o sentido de pertencimento e o desenraizamento que provoca viver longe da minha terra natal. O resultado é a criação de seres que habitam um espaço, cujo processo de criação, me permite gerar um sentido de apego e familiaridade com relação ao lugar que habita meu corpo.

Instagram | site | facebook

Para compras e consultas de valores: freitag.vane@gmail.com

Apoio:

© 2020 por Artistas Latinas

Site desenvolvido por Revés Produções

Esse é um projeto sem fins lucrativos

Políticas do Site

MDWDM-logo-large-1.png
UM TETO SEU VAZADO.png
REVÉS_VAZADO.png
HISTÓRIA_DA_PARTE_VAZADO.png

Realização:

Patrocínio:

Nós respeitamos a liberdade de expressão e advertimos que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos.

  • Instagram - Black Circle