Cecilia Porras Sáenz

GUATEMALA

1979

Cecilia Porras Sáenz é artista visual e cênica. Desde muito jovem, participou de workshops de arte - primeiro na dança e depois na pintura. As várias linguagens que percorre vão desde a pintura à instalação, da cenografia ao teatro, especialmente dentro da direção e da encenação. Seus trabalhos são baseados nas necessidades conceituais do artista e não em uma disciplina particular. Viveu no exílio no México até voltar ao seu país em 2004. Ao retornar à Guatemala, formou-se em Arte Dramática na Escola Superior de Arte da Universidade de San Carlos (2009), depois foi convidada a participar do décimo Laboratório Internacional de Yuyachkani no Peru (2010) e recebeu uma bolsa integral do grupo Teatro Itinerante del Sol na Escola Biodharma, realizada em Villa de Leyva, Colômbia (2013).

O deslocamento da artista é conectado por uma linearidade peculiar que está em sua paleta de cores, que oscila entre o azul e o pastel com alguns destaques vibrantes. Há um elemento sempre presente na maioria das obras de Cecília: a paisagem, onde se faz um estudo meticuloso do espaço tanto nas pinturas quanto na instalação e no teatro. Toda a sua criação surge como sementes, desse solo concreto físico ou ilustrativo, por vezes transformando-se em personagens lúdicos e divertidos, alguns deles como foco e outros que parecem encontrar primeiro o espectador, como nas pinturas Tropic Peluche e Coelhos no Trópico.

Suas instalações circulam entre intervenções de objetos abandonados em espaços públicos, casas e lugares pouco percorridos como na obra Cuarto Azul (2018): um porão de um antigo banco abandonado na Cidade da Guatemala, que sofre uma intervenção completa sendo pintada de azul. O trabalho foi inscrito no Projeto Artístico 1001 Noites na cidade de Guatemala. A sua instalação enquadra-se no quadro Site Specific, em que a obra parte do espaço ou da sua paisagem.

Dentro do teatro a materialização no campo do pensamento dos atores aborda o corpo como espaço de vivência, conhecimento e reflexões, brincando com a possibilidade da metáfora, do signo, do gesto, que abre um campo de sentimentos em relação ao espectador que às vezes podem ser desconfortáveis ​​ou não muito lógicos.

Entre suas peças teatrais está “Primera Dama” (2018), interpretada como diretora de teatro convidada no Laboratório de Artes Landívar, sobre a qual Andrea Maida (jornalista) escreve na revista FactUm: “Uma peça que se torna mais performance com a cumplicidade do público, a primeira-dama provoca aquele riso catártico envolto em decepção e, porque não, questionamento ”. Outras peças teatrais criadas pela artista são: “Ester” (2012), “El Jardín de Los Infantes Locos y la Escafandra de Oro” dentro do Projeto Poético Cênico do Centro Cultural da Espanha e Editorial Catafixia (2013), “Noite Inteira de Pájaros ”(2017), vencedor do fundo RUKUX de artistas maias apresentados na Guatemala e no México.

Uma peça fundamental da artista é a instalação "Región Antes" (2017): três salas são interpostas com cascalho, terra e carvão. São dois elementos específicos, uma cama banhada em barro e uma cadeira de rodas que pertenceu à sua mãe, inserida num vulcão de carvão, vestígios de algo que foi, que se transforma naturalmente, completando o círculo natural da vida e da vida e morte. Atualmente, a artista continua pintando, escrevendo e estudando suas próximas peças teatrais.

Participou de diversas exposições e também de reconhecimentos no país, como em JUANNIO (2008, 2009, 2010), La Niña Lobo no Instituto Guatemalteco IGA (2015) Arte Centro Paiz (2018) Região Antes no Proyecto Poporopo (2017) Bomba Blanca, Galería Extra (2018), Trópico Peluche, individual na galeria GAGÁ, Antigua Guatemala (2019).

Fonte: