Juliana Alves Xukuru

BRASIL

1985

Artista Visual contemporânea indígena, de etnia pertencente ao povo Xukuru de Cimbres de Pesqueira -Pernambuco. Nasceu em uma das aldeias dos territórios Xukuru de Ororubá em Pesqueira Pernambuco .
Formada em Artes Visuais pela Universidade Federal da Paraíba e Mestra em Artes Visuais pela Universidade Federal da Paraíba e Universidade Federal de Pernambuco -UFPB/UFPE.
Seu trabalho se desdobra a partir de uma busca por memorias e identidades , partindo de uma poética da “transparência” que problematiza pesos e levezas envolvidos na romantização sobre a figura da mulher, ampliando este estudo para o contexto da mulher indígena a partir de seu próprio corpo e contexto entre/com as outras mulheres de sua etnia.
Em seu trabalho poético, a artista busca tratar das vivencias com seu povo mais intensamente , ao mesmo tempo em que busca desvelar sua própria historia vai identificando e enfrentando imagens/ narrativas colonizadoras ainda persistentes no cotexto atual da mulher indigena Xukuru.
Dentre seus trabalhos destacam-se, a participação como: artista selecionada no Primeiro e Segundo Festival de Artes do Agreste Meridional / Festival de Inverno, nas exposições Coletivas no Centro de Artes Armando Monteiro em Garanhuns- Pernambuco, em 2005 e em 2006; Festival Internacional de Aquarelas de Paraty; Galeria Navegary- Rio de Janeiro, 2015; artista selecionada para a residência artística e exposição coletiva no Festival Confluências de Artes em Clorinda – Argentina, 2017; Exposição individual “TranspareSSer” realizada no Centro Cultural Correios Recife, com curadoria de Sônia Marques, em 2018/2019. Possui obras no acervo do NAC – Núcleo de Arte Contemporânea da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e como artista pesquisadora integra o grupo de Pesquisa Ensino das Artes Visuais (GPEAV) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Batato

Batato

Óleo sobre tela 1989

Nua

Nua

Óleo sobre Tela 1988

AUTORRETRATO

AUTORRETRATO

Giz e pastel sobre papel 1980

Gustavo Marrone en su atelier

Gustavo Marrone en su atelier

Óleo sobre tela 1988

El psicoanálisis con rabia roía el cráneo por dentro y por fuera

El psicoanálisis con rabia roía el cráneo por dentro y por fuera

Técnica mista sobre tela 2018

LINKS ÚTEIS:

Fonte: