Lotty Rosenfeld

CHILE

1943

A artista plástica chilena Lotty Rosenfeld (nascida Carlota Eugenia Rosenfeld Villarreal) nasceu em Santiago em 1943 e é conhecida principalmente por seu trabalho em gravura, vídeo arte e prática de arte socialmente engajada.
De 1967 a 1969, estudou na Escuela de Artes Aplicadas, Universidade do Chile, em Santiago. Como gravadora, Rosenfeld fundou em 1979 o coletivo de artistas CADA (Colectivo de Ações de Arte) com o poeta Raúl Zurita, o sociólogo Fernando Balcells, o escritor e artista Diamela Eltit (n. 1949) e o artista Juan Castillo (n. 1952). As imagens antitotalitárias do CADA atingiram seu apogeu em 1983 - exatamente dez anos depois de uma junta militar ter realizado um golpe de estado que derrubou o presidente democraticamente eleito Salvador Allende - quando o grupo desenhou o símbolo político "Não+"; (não mais). logo empregado por artistas, ativistas, políticos e outros para denunciar uma ampla variedade de injustiças sociais. No mesmo ano de 1983, o grupo feminista Mujeres por la Vida convidou Rosenfeld a projetar o cenário para uma manifestação que reunisse pela primeira vez representantes de todos os partidos de oposição. Ela incorporou o símbolo "Não +" em seu cenário, e mais tarde foi adotado por outros grupos de mulheres e causas sociais.
Paralelamente às ações da CADA, Rosenfeld desenvolveu seu próprio corpo de trabalho. Sua ação mais icônica é Una milla de cruces sobre el pavimento (1979), na qual ela tentou recuperar espaços públicos que haviam sido apreendidos sob o regime de Augusto Pinochet, colocando fita adesiva nas linhas brancas tracejadas que separavam faixas de tráfego nas rodovias. Ela transformou os indicadores de trânsito em cruzamentos ou sinais de mais. Através deste e de outros trabalhos, Rosenfeld tentou intervir na recepção pública de sinais e realidades sociais, transgredindo os mandatos inerentes à ordem social. Na vanguarda da prática socialmente engajada, Rosenfeld incentivou, ao longo de sua carreira, os participantes a considerar a memória e a expectativa no contexto de suas realidades sociais e políticas. Em seus trabalhos mais recentes, como na vídeo-instalação El empeño latinoamericano (1998), ela se voltou para uma interpretação mais matemática do sinal de mais para denunciar a ganância e as práticas neoliberais comuns nos países capitalistas.
Rosenfeld recebeu as maiores honras do Chile: o Premio à la Trayectoria Artística (1995) do Círculo de Críticos de Arte do Chile, o Prêmio Paoa (2001) do Festival Internacional de Cinema de Viña del Mar e o Prêmio Altazor de Artes Nacionais (2003). Seu trabalho está no Museu de Arte Contemporânea, Santiago; Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madri; e Tate Modern, Londres. Juntamente com o colega artista chileno Paz Errázuriz (nascido em 1944), Rosenfeld representou o Chile na 56ª Bienal de Veneza em 2015.

Batato

Batato

Óleo sobre tela 1989

Nua

Nua

Óleo sobre Tela 1988

AUTORRETRATO

AUTORRETRATO

Giz e pastel sobre papel 1980

Gustavo Marrone en su atelier

Gustavo Marrone en su atelier

Óleo sobre tela 1988

El psicoanálisis con rabia roía el cráneo por dentro y por fuera

El psicoanálisis con rabia roía el cráneo por dentro y por fuera

Técnica mista sobre tela 2018

LINKS ÚTEIS:

Fonte: