Margarita Azurdia

GUATEMALA

1931

Nascida em 1931 em Antígua, Guatemala, Margarita Azurdia foi educada em internatos particulares e frequentou uma escola católica, a Loretto Academy, em Niagara Falls, Canadá. Ela voltou para a Guatemala e se casou com Carlos Fanjul aos vinte anos de idade. Primeiramente autodidata, ela ficou conhecida como artista sob o nome de Margot Fanjul. Sua primeira exposição individual, em 1963, estabeleceu o tom de sua carreira como experimentadora constante e irreverente. Durante a década de 1960, a Azurdia produziu pinturas abstratas de grande escala aclamadas pela crítica, algumas compostas por arranjos rítmicos de linhas paralelas, outras compostas por campos grandes e planos com padrões geométricos e lineares em combinações incomuns de cores que refletem desenhos têxteis indígenas.
A influente crítica argentina Marta Traba enalteceu suas pinturas como um dos exemplos mais emblemáticos de arte da América Central. A série Asta 104 de Azurdia recebeu uma menção honrosa na 10ª Bienal de São Paulo em 1969 e sinalizou a busca ao longo da vida do artista pela identidade dos seres humanos no cosmos. Com sua apresentação de esculturas abstratas de mármore manipuláveis ​​na 3ª Bienal de Arte Coltejer em Medellín, Colômbia, em 1972, ela procurou solicitar a participação do público em seu trabalho. A primeira apresentação de Azurdia, Favor quitarse los zapatos (Por favor, tire os sapatos, 1970), apresentada na 2ª Bienal de Arte Coltejer, testou as possibilidades de "integrar o corpo do público ao trabalho, explorando outras capacidades sensoriais que não a visão e expandindo" consciência psicológica.
Entre 1971 e 1974, ela criou a Homenaje a Guatemala (Tributo à Guatemala), um grupo de cinquenta esculturas de madeira pintadas e esculpidas por artesãos locais, após os desenhos da artista. Em 1974, Azurdia deixou a Guatemala e mudou-se para Paris, onde se concentrou em desenhar e escrever poesia. Ela também teve aulas de dança contemporânea. Em 1982, retornou à Guatemala e fundou um grupo de performance experimental, o Laboratorio de Creatividad, que incluía os artistas Benjamín Herrarte, Marta Olga Herrarte, Lucrecia Herrera, Fernando Iturbíde, Maria del Carmen Pellecer Mayora e Marie Joe Rochas. Seu objetivo era conjurar experiências corporais em locais públicos e fora dos limites das instituições de arte para mobilizar o público para a ação.
Quando o grupo se separou por volta de 1985, Azurdia continuou suas explorações da dança sagrada, ritual diário, espiritualidade feminina e unidade com a terra. Independentemente de sua polêmica, seu trabalho foi amplamente reconhecido em bienais e competições nacionais e internacionais e pode ser encontrado na coleção do Museu Nacional de Arte Moderna Carlos Mérida, na Cidade da Guatemala, e na Coleção de Arte do Banco da República da Colômbia, em Bogotá, entre muitos outros. Azurdia morreu em 1998.

Batato

Batato

Óleo sobre tela 1989

Nua

Nua

Óleo sobre Tela 1988

AUTORRETRATO

AUTORRETRATO

Giz e pastel sobre papel 1980

Gustavo Marrone en su atelier

Gustavo Marrone en su atelier

Óleo sobre tela 1988

El psicoanálisis con rabia roía el cráneo por dentro y por fuera

El psicoanálisis con rabia roía el cráneo por dentro y por fuera

Técnica mista sobre tela 2018

LINKS ÚTEIS:

Fonte: