Victoria Cabezas

COSTA RICA

1950

A fotógrafa costa-riquenha e artista conceitual e multimídia Victoria Cabezas nasceu em Ohio, EUA, em 1950. Estudou no Florida Southern College, Lakeland (BA 1971); Universidade Estadual da Flórida, Tallahassee (MFA 1973); e Pratt Institute, Brooklyn (MFA 1983). No seu primeiro mestrado, em 1973, ela desenvolveu Banana Thesis, uma obra de arte conceitual que, com ironia e humor, criticou as restrições institucionais que envolviam a escrita de uma tese formal no campo da arte enquanto comentava a situação política da chamada república das bananas, exemplificadas pela Costa Rica e outros países da América Central. O manuscrito foi composto da palavra banana como o único termo usado no texto, com fontes e outras informações factuais aludindo às repúblicas das bananas incluídas nas notas de rodapé. Como um ícone paradigmático dos trópicos, a banana representa culturas locais e interesses estrangeiros na região. Bananas, iconografia religiosa e referências autobiográficas são importantes motivos da obra de Cabezas.
Desde as décadas de 1970 e 1980, a artista voltou sua atenção para espaços interiores, muitas vezes domésticos, que oferecem um vislumbre de sua vida e psiqué. Alguns exemplos recentes são os trabalhos Mi arte casi no se vende, perococino (Minha arte quase não vende, mas eu cozinho, 2007), La inquietud (The concern, 2010), e Autorretrato sem retoques: Anillo de compromiso, impression y arrugas (Autorretrato sem retoques: anel de noivado, manchas e rugas, 2012). Enquanto, ao longo de seus mais de quarenta anos de carreira, ela explorou vários temas, o uso do kitsch para questionar questões de gosto e preciosidade na arte permanece um fio constante.
Educadora e artista plástica, Cabezas lecionou na Facultad de Bellas Artes, Universidade de Costa Rica, em San José, de 1973 a 2002, instituição para a qual também atuou como reitora de 1991 a 1995. Recebeu várias recomendações , entre elas uma medalha de ouro em gravura no 2º Salão Anual de Artes Plásticas, concedida pelo Ministério da Cultura, Juventud y Deporte e o Museu Nacional em San José em 1973 e um prêmio na 1ª Bienal de Pintura do Istmo Centroamericano na Cidade da Guatemala em 1998; ela também foi selecionada para servir em vários júris. Mais recentemente, em 2016, Cabezas foi incluída na 10ª Bienal Centroamericana, comemorada em Limón e San José, Costa Rica. A artista vive e trabalha em Tres Rios, Costa Rica.

Fonte:

Sem Título

Sem Título

Impressão Chromogênica (1973)

Gatos e Televisores"

Gatos e Televisores"

Impressão de bicromato de goma (1983)

Sem título

Sem título

Impressões em gelatina coloridas a mão (1973)

Sem Título

Sem Título

Quatro cópias digitais de fotografias em preto e branco coloridas à mão (1973)

LINKS ÚTEIS:

Apoio:

© 2020 por Artistas Latinas

Site desenvolvido por Revés Produções

Esse é um projeto sem fins lucrativos

Políticas do Site

MDWDM-logo-large-1.png
UM TETO SEU VAZADO.png
REVÉS_VAZADO.png
HISTÓRIA_DA_PARTE_VAZADO.png

Realização:

Patrocínio:

Nós respeitamos a liberdade de expressão e advertimos que algumas imagens de trabalhos publicadas nesse site podem ser consideradas inadequadas para menores de 18 anos.

  • Instagram - Black Circle